POEMA TORTO, por Daltro Paiva.

Teria a voz humana coragem para assumir suas covardias

                                                                       assim como assumimos tantas supostas glórias?

                            Até que ponto abraçamos nossas vergonhas, infâmias e vilezas?

                                                                                                     Macularíamos a imagem do príncipe se o fizéssemos?

  Oh príncipes, meus irmãos! Onde é que há gente no mundo?

 

                                                                             Quem sabe algum covarde desgraçado

não tenha outra alternativa senão assumir-se vil.

                                              Vil no sentido mesquinho e infame da vileza,

                                                                     como quem não alcança a salvação em seu último suspiro de vida

 e implora pela humanidade e misericórdia dos seus.

 

Semanas infindáveis, dias eternos, meses e anos perpétuos.

                                                  Noites escuras e frias que teimam em não amanhecer.

               Sexo, álcool e mulheres que embora possuam meu corpo

                                                                                                                                              nada me dizem ao coração.

                                            Vazio inexplicável que fere a existência dilacerando a carne.

 

Muitos planos que não levarão a lugar algum

                                                        e que dançam desesperados no vácuo

                                                                                                       em um ciclo desgraçadamente maldito de

                     um filme ruim que a tv aberta insiste em passar

                                                                                                                            e que ninguém mais quer ver.

 

Mais uma vez ebriedade e estupidez,

dessas de não querer ver o próprio rosto no espelho.

                                                                                            Desgraças em vão no inferno gratuito e sem razão.

         Não corras o risco de ser mandado ao purgatório

                                                                   como um menino sujo que é castigado pelo pai.

 

Já ouvistes de alguém a voz humana, oh irmão?

                                                    Já conseguistes quem te confessasses cruéis covardias?

                                                                                          Já encontrastes quem de suas couraças se desfaça

             removendo o véu do ideal assumindo todas as

                                                                           torpezas, fragilidades, vilezas e misérias humanas?

 

Responde-me, meu irmão.

                                                                                                                         Não me cales tua voz,

não me deixes a indagar solitário.

                                                                                                                 Não me negues tua palavra.

Não dê as costas ao meu peito que sangra.

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry